Representantes de turma: protagonismo do começo ao fim

por Fernando Cardoso, coordenador pedagógico de Ensino Fundamental 1 e Atividades Complementares da Escola Viva

A ideia de representante de turma não é uma novidade, muitos de nós vivenciamos essa experiência quando éramos estudantes. Contudo, ao longo do tempo, a função do representante - que era quase a de um “ajudante do dia" - veio se transformando.

O que era uma função burocrática (ajudar na entrega das atividades, olhar agendas, recolher lições) deu espaço para os estudantes exercerem atitudes de protagonismo, dentro e fora do ambiente escolar.

…do começo

Com a palavra os representantes de turma de 2023 da Escola Viva:

“Ser representante é uma responsabilidade grande. Basicamente porta-voz do seu grupo. Alguém que vai ajudar os outros a melhorar a escola para que tudo fique mais fácil e feliz. E, sendo uma criança fazendo isso, a escola melhorar, é incrível”. (A., 10 anos)

“Para mim representa ter uma grande responsabilidade. O compromisso de me doar, doar meu tempo para melhorar a escola para todo mundo e me ajuda a deixar todo mundo feliz e meu foco é deixar todo mundo feliz”. (R., 9 anos)

“Acho que poder ajudar os outros com problemas que estão tendo na escola e não necessariamente na sala, isso é muito importante. Principalmente conflitos, me faz sentir mais feliz ajudar a resolver. Eu não gosto de conflitos”. (I., 9 anos)

“Eu adoro ser representante e ajudar as pessoas. Claro que tem algumas críticas, mas eu acho muito legal. Fico feliz por terem me escolhido, sempre temos ideias e o representante só faz elas se realizarem” (M., 6º ano)

“Em uma escola como a Viva, nós, representantes, temos a função de constituir nossas turmas. Aqui, um representante pode expor de forma aberta as opiniões e sugestões de suas salas, criando discussões pertinentes para que possamos estabelecer um ambiente escolar cada vez mais completo e justo para todos. Na Viva, temos um comprometimento muito grande com o protagonismo dos alunos, por isso, o papel que exercemos na escola é tão importante para nós.” (L. R., 2ª série EM)

“Na minha opinião, eu acho que ser representante de sala é muito mais do que levar as questões da classe para a coordenação. É criar vínculos com as pessoas, uni-las e criar um local de respeito entre cada um. Em uma escola como a Viva, que escuta os alunos, que é inclusiva, e que respeita as diferenças de todos, acho que esse papel se torna muito mais importante.” (V., 3ª série EM)

Como vocês puderam notar nas falas dos próprios alunos e alunas, representar o seu grupo é defender os interesses do coletivo dentro da escola é, muitas vezes, o primeiro passo de uma longa jornada como cidadão. 

Mas como funciona na prática?

Aqui na Escola Viva, tudo começa com a eleição!

A escolha é sempre democrática, mas a forma é sempre combinada anteriormente com o grupo. Algumas turmas seguem o caminho mais comum: o docente pergunta quem gostaria de se candidatar, e somente os candidatos(as) escrevem um discurso.

Depois de ouvir todos os discursos, o professor ou professora entrega uma cédula de votação individual, para que todos e todas possam votar, garantindo a premissa de que o voto é individual e secreto. O primeiro(a) mais votado(a) é o representante; e o segundo(a) mais votado, o vice-representante.

Já tivemos turmas que se organizaram como um “partido político”, pequenos grupos se juntam e decidem quem será candidato(a) a representante e vice-representante, depois escolhem quem cuidará da campanha para promover os seus candidatos(as), quem fará as divulgações, quem cuidará da organização da equipe e assim por diante.

Neste exemplo, leva-se um tempo maior para finalizar a votação, mas a participação de todos e todas é garantida.

Independentemente da forma de eleição, o que buscamos é que seja legítima e democrática. Nossa sugestão é trocar os representantes semestralmente, assim garantimos a rotatividade.

Durante as rodas de classe, os representantes organizam as falas, fazem a ata e são responsáveis por verificar se aquilo que foi acordado realmente aconteceu.

Nas assembleias mensais com a gestão da escola, são eles que levam os interesses da turma e que depois compartilham com os demais o que ficou decidido. Os representantes têm voz ativa nessas reuniões e sempre chegam com a pauta pronta para transformar a escola em um lugar cada vez melhor para se conviver. Tais ações podem fazer da escola um espaço de maior pertencimento, de melhor convivência e um grande palco de oportunidades de desenvolvimento individuais e coletivos.

É realmente encantador ver os estudantes mobilizando-se para participar das assembleias e defender os interesses do grupo.

Alunos e alunas têm a oportunidade de argumentar, expor, debater, ouvir e refletir sobre as ideias que foram elaboradas de forma coletiva e que nem sempre é a sua ideia individual.

A escola só se transforma se as pessoas se transformarem dentro delas!

Ser representante de turma pode ser um importante exercício de protagonismo para aqueles e aquelas que, em breve, atuarão na sociedade e poderão fazer com que ela seja ética, justa e democrática.

E por que protagonismo?

Estudantes protagonistas têm um papel ativo no próprio aprendizado, de modo geral, quando exercem o protagonismo dentro da escola. Ficam mais curiosos sobre a complexidade do mundo, engajam-se para encontrar soluções criativas para problemas inusitados, têm mais autonomia na resolução de conflitos e desenvolvem o pensamento crítico, afinal valorizam o trabalho em equipe.

Aos docentes, cabe o desafio de oportunizar situações para que todos possam exercer o protagonismo, alternando e valorizando os diferentes pontos de vistas e planejando ações que possibilitem o desenvolvimento do papel ativo do estudante em sua própria aprendizagem.

E você, professor ou professora, gestor ou gestora, tem dado voz para os estudantes da sua escola?

Se queremos de fato a formação integral do estudante, temos que saber ouvir as suas ideias e desejos, respeitar suas propostas e oportunizar o direito de colocar-se com liberdade e responsabilidade sobre todas as questões relacionadas ao dia a dia escolar.

A escola deve ser um ambiente em que o estudante seja incentivado a ajudar os outros e a se importar com quem convive, sejam alunos, alunas, famílias e colaboradores escolares.

Vale lembrar que estamos falando de um protagonismo que acontece “de verdade”, e não “de vez em quando”.

Ansiamos por um protagonismo como potência dentro de ações coletivas e pautado no bom convívio.

…ao fim

A escola também tem a função social de educar crianças e jovens para o exercício da cidadania.

O protagonismo dos estudantes é trabalhado nas rodas de conversa, nas assembleias de classe, no respeito às regras de convivência e ao regimento escolar, no comprometimento com a assiduidade e a pontualidade e também quando são representantes de turma. Ações precisam de espaço para acontecer na rotina escolar, de forma planejada e intencional.

Quando tem representantes de turma e, de fato, faz com que tenham protagonismo na rotina escolar, a escola está oportunizando o pensamento crítico, a escuta sensível, a empatia e ensinando a valorizar a importância de acolher ideias diferentes da sua e principalmente a zelar pela qualidade do convívio.  


Baixe o ebook:

Projetos de vida: como a escola pode ajudar jovens estudantes a construírem seus futuros

Leia mais no Blog da Escola Viva


Educação Infantil
Amarelinho, Amarelo e Laranja
(1 a 4 anos)

Rua Professor Vahia de Abreu, 336
Vila Olímpia, São Paulo, CEP: 04549-002

Educação Infantil
Azul e Vermelho (4 a 6 anos)
Ensino Fundamental
1º ao 3º ano (6 a 9 anos)

Rua Professor Vahia de Abreu, 664
Vila Olímpia, São Paulo, CEP: 04549-003

Ensino Fundamental
(4º ao 9º ano)
Ensino Médio
(1ª a 3ª série)

Rua Professor Vahia de Abreu, 488
Vila Olímpia, São Paulo, CEP: 04549-002

UMA ESCOLA DO GRUPO

 
Política de privacidade

Fale conosco

escolaviva@escolaviva.com.br

(11) 3040-2250

ACOMPANHE NOSSAS
REDES SOCIAIS: