Depois do Ensino Médio

por Edmilson de Castro - Coordenação Pedagógica  do Ensino Médio da Escola Viva

O processo de escolarização de massa, que a modernidade disseminou e naturalizou ao longo do tempo, incorporou amplos setores da sociedade que durante muito tempo estiveram excluídos da educação formal. 

Este acontecimento produziu um conjunto de leituras acerca da relação entre a escola e a sociedade bastante distorcida no que se refere à influência de uma sobre a outra. 

A imagem mostra um grupo de estudantes.

A valorização da educação formal

A valorização da educação formal aumentou muito a importância da escola como instituição e, ao mesmo tempo, reforçou a imagem de que a escola é a instituição que determina os rumos da sociedade e de seu modo de produzir riqueza, cultura e valores.

O que podemos perceber, contudo, é que a educação escolar em sua relação com os modos de produção social de riquezas e ideias é uma instituição reativa que, ao sentir o impacto dos diferentes processos de rupturas provocados por alterações no campo do conhecimento, da produção material e imaterial e dos modos de vida, procura encontrar alguma forma de adaptar seu currículo e seus procedimentos metodológicos às exigências externas ao seu universo cultural.

Não é por acaso, que todas as vezes que há alguma transformação importante no campo econômico ou tecnológico, a escola é convocada a modificar seus procedimentos de trabalho, reorganizar tempos e espaços das disciplinas curriculares e, não raro, passar por uma “reforma” de seu currículo para se adaptar o “novo tempo”, como se ele, o “novo tempo”, fosse uma necessidade surgida da própria escola.

A imagem mostra duas jovens em frente a um computador.

O avanço do conhecimento no campo tecnológico

Com o avanço do conhecimento no campo tecnológico e a intensificação exponencial do uso das mídias digitais, a pressão sobre a escola e seu currículo para se ajustarem às novas exigências do mundo do trabalho tem se intensificado vertiginosamente, induzindo as instituições de ensino a realizarem, cada vez mais rapidamente, um processo de “destruição criativa” de seus modos tradicionais de funcionamento, na procura de uma “nova” identidade que dê conta das exigências do momento.

Não há como negar que preparar o jovem para o mundo do trabalho ou no ensino superior faz parte da trajetória histórica da escola.

A imagem mostra uma plateia.

Ênfase do emprego para a empregabilidade

Segundo Jan Masschelein e Maarten Simons, coordenadores do Laboratório para a Educação e a Sociedade da Universidade de Louvain, da Bélgica, o que mudou, atualmente, é “a ênfase do emprego para a empregabilidade”. 

Segundo estes autores, “otimizar o emprego era, em grande parte, uma questão política e, no mínimo, era o objetivo da política social e econômica”.

Agora, no entanto, o emprego passa a ser uma responsabilidade do indivíduo, o que faz com que todos sejam colocados na condição de aprendiz ao longo da vida e “um investidor no próprio capital humano”.

A imagem mostra uma plateia.

Ensino de competências e habilidades

Frente a este cenário, não causa espanto, o destaque dado pelas escolas ao ensino de competências e habilidades. Na verdade, não apenas as escolas, mas a sociedade como um todo, exige que o desenvolvimento dos mais variados tipos de competências sejam ensinados e aprendidos, como preparação individual na luta pela empregabilidade.

Na definição dos autores citados, “uma competência se refere à habilidade de realizar e, portanto, a um conjunto específico de conhecimentos, habilidades e atitudes necessário para o desempenho de determinadas tarefas” que deverão fazer parte do “portfólio” do aluno em sua disputa por espaço no mercado de trabalho.

O dilema que se coloca para a escola e as relações de ensino e aprendizagem é saber se poderá sintonizar seu currículo ao ritmo das mudanças operadas no campo da ciência, da tecnologia e suas implicações no mundo do trabalho de modo a atender às necessidades da empregabilidade, sem descaracterizar completamente sua finalidade histórica, qual seja, ser a instituição responsável por assegurar “tempo livre” para o pensar.

A imagem mostra jovens ao redor de uma mesa.

O ato de pensar é um movimento que supera a lógica objetiva e produtivista

Neste sentido, entendemos que a escola dificilmente poderá atender às demandas que lhe são direcionadas sem se descaracterizar completamente. 

O tempo de maturação do conhecimento produzido no ambiente escolar é completamente diferente daquele constituído por outras instituições sociais.

A escola - e tudo o que ela produz no campo do conhecimento e da experiência - exige um tempo mais lento e elaborado, múltiplo e variado, por considerar o individual e o coletivo em sua construção e, acima de tudo, por entender que o ato de pensar é um movimento que supera toda lógica objetiva e produtivista de nossa sociedade.

A imagem mostra jovens deitados no chão formando uma estrela.

Além dos muros da escola

Isto não quer dizer que a escola não deva considerar o que se passa além de seus muros. 

Cabe à escola, sem dúvida, estar aberta e receptiva ao que se passa em seu entorno, de maneira seletiva e crítica, se quiser ir além de mera correia de transmissão para a reprodução de modelos e valores que lhe sejam estranhos.

É pouco provável que uma escola consiga preparar o aluno para atender às competências que o mercado de trabalho exige. Elas são múltiplas, variadas e se tornam obsoletas rapidamente.

Mas a escola pode oferecer algo que jamais perderá a validade ou se tornará obsoleto. 

A imagem mostra um grupo de pessoas com instrumentos musicais.

Currículo crítico e instigante

A escola, através de um currículo crítico e instigante, poderá assegurar aos estudantes o tempo e as ferramentas necessários para que aprimorem o ato de pensar e agir, com segurança e liberdade.

Pensar e agir com segurança e liberdade são instrumentos que qualquer pessoa necessita para decidir sobre seu destino profissional e existencial. 

Esses elementos são atemporais, embora contextualizados historicamente, e superam os limites estabelecidos pelas classificações pedagógicas ou mercadológicas.

A imagem mostra uma pessoa manuseando uma câmera cinematográfica.

Capacidade de pensamento e crítica 

De tudo isto, podemos inferir que apesar da preocupação que a finalização da educação básica acarreta para famílias e estudantes quanto ao ingresso na vida adulta e, consequentemente, no mercado do trabalho, das expectativas de que esta formação possa ter dotado o estudante das habilidades necessárias ao seu sucesso profissional, o que conta verdadeiramente, é se a formação recebida possibilitou ao jovem, aprimorar sua capacidade de pensamento e crítica durante todo o período de escolarização.

Quando, ao longo da escolarização, o aluno ou aluna foi desafiado, permanentemente, a fazer do conhecimento um meio para problematizar as verdades do mundo e os seus sentidos, quando foi instigado a fazer do pensamento um instrumento de afirmação pessoal e de compartilhamento coletivo, sabemos que sua formação foi completa e ele está preparado para os desafios que a vida apresentar.

A imagem mostra o cartaz de um evento.

Conversas com o amanhã - diálogos sobre trabalho e modos de vida.

Participe do evento online Conversas com o amanhã - diálogos sobre trabalho e modos de vida.

Uma programação que conecta os estudantes do 8º ano do Fundamental à 3ª série do Ensino Médio da Escola Viva com profissionais atuantes em diversos setores. 

Serão 3 dias com conversas sobre modos de vida, profissões, carreira, mercado de trabalho e outros assuntos relacionados.

O evento é voltado, principalmente, para estudantes do 8º ano ao Ensino Médio, e será transmitido pelo canal do Youtube da Escola Viva para quem quiser assistir. 


Baixe o ebook:  Ingressar na faculdade: para além do vestibular

A imagem mostra a capa de um ebook.

Siga as redes sociais da Escola Viva -  Instagram, Facebook e Linkedin

Leia mais no blog da Escola Viva




Educação Infantil
Amarelinho e Laranja (1 a 3 anos)

Rua Professor Vahia de Abreu, 336
Vila Olímpia, São Paulo, CEP: 04549-002

Ensino Fundamental
3º ao 7º ano

Rua Professor Vahia de Abreu, 488
Vila Olímpia, São Paulo, CEP: 04549-002

Fale conosco

escolaviva@escolaviva.com.br

(11) 3040-2250

UMA ESCOLA DO GRUPO


Política de privacidade

Educação Infantil
Azul e Vermelho (4 e 5 anos)
Ensino Fundamental – 1º(Verde) e 2 ano (3 a 8 anos)

Rua Professor Vahia de Abreu, 664
Vila Olímpia, São Paulo, CEP: 04549-003

Ensino Fundametal
8° e 9° ano

Rua Casa do Ator, 836
Vila Olímpia, São Paulo, CEP: 04546-002


Ensino Médio
1ª a 3ª série

Rua Casa do Ator, 836
Vila Olímpia, São Paulo, CEP: 04546-002

ACOMPANHE NOSSAS
REDES SOCIAIS: